O Poder de Reparação nos Relacionamentos

O que está acontecendo hoje em seus relacionamentos pessoais? Você percebe que pode ser você mesmo, ficar relaxado e aberto no ambiente seguro e sem julgamentos de seus relacionamentos? Você se sente apoiado para brilhar como o seu melhor e em seu potencial máximo? Ou você está se sentindo estressado sobre questões não resolvidas varridas para debaixo do tapete e coisas na sua “lista de afazeres” para falar sobre em algum dia? Sentindo medo do que o outro pode pensar sobre você, se você realmente compartilhar seus sentimentos honestamente? E isso vale para amigos, colegas e familiares também. Alguns de nós vêem a qualidade de nossos relacionamentos como um luxo de vida, como algo que acontece quando estamos de férias ou talvez nos finais de semana… ou em algum dia, quando…? Mas se você for honesto, como o seu relacionar no dia a dia está indo realmente?

Pesquisas científicas nos mostram que nossos relacionamentos têm um efeito direto sobre nosso bem-estar, estado de espírito e nossa capacidade de funcionar em nosso potencial dentro de nosso cérebro. Quando nossos relacionamentos fluem com amor, gratidão e alegria, nossas mentes experimentam clareza, abertura, maior percepção, tranquilidade e resiliência ao estresse. As pesquisas mais recentes também nos mostram que quando nossos relacionamentos com os outros estão presos em círculos estressantes de falta de comunicação, ressentimento, medo, mágoas passadas, falta de empatia ou isolamento, nosso sistema nervoso entra no modo de sobrevivência e desliga suas capacidades superiores de criatividade, pensamento claro, eficiência e estado geral de bem-estar. Isso nos mostra naturalmente a importância de entender nossas relações com nós mesmos e com os outros como uma questão de boa saúde e qualidade de vida. Nosso sistema imunológico está diretamente ligado aos nossos centros emocionais do cérebro e quando deixamos de expressar nossos sentimentos por causa de desconfiança, medo de julgamento ou falta de comunicação isso afeta diretamente o nosso estado de bem-estar. Muitas pessoas vem até nós surpresas ao verem que depois de resolver seus problemas de relacionamento, como as outras áreas de suas vidas começam a fluir com clareza, abundância e muitas vezes, elas têm uma nova visão e significado para a vida. Parece que o cérebro faz uma mudança em direção a um novo estado de presença e percepção clara, uma vez que a ansiedade do estresse agudo no sistema nervoso é liberada.

Ficamos fascinados ao ver como nossas mentes estão interligadas umas com as outras. Como, por meio do que chamamos de “neurônios-espelho”, somos projetados para perceber um ao outro por dentro, como uma espécie de telepatia natural de sensações que nos conecta diretamente com o clima interior, o estado de bem-estar e o estado de estresse. Um bom exemplo disso pode ser visto em uma manada de gazelas nas planícies abertas da África; quando um leão se aproxima, uma das gazelas sente o cheiro e congela todos os seus músculos, e instantaneamente toda a manada sente a contração, através dos mesmos neurônios-espelho, que os informam do perigo. Isso permite que o rebanho mobilize sua energia para fugir para a segurança e sobreviver outro dia. Nós humanos temos a mesma resposta de sobrevivência instintiva em uma parte de nossos cérebros para captar quaisquer sinais de estresse uns dos outros, o que ativa nossa resposta de “luta ou fuga” diante de uma ameaça. Então, por exemplo, quando temos uma discussão com nosso parceiro ou colega de trabalho e isso é deixado com uma carga emocional não resolvida, esses neurônios-espelho em nossos cérebros captam a agitação no sistema nervoso do outro e a registram como uma “ameaça” de perda de conexão ou distúrbio que poderia ser um risco de vida. Isso literalmente ativa um alto nível de estresse de sobrevivência em nosso próprio estado interior. Enquanto a questão permanece não resolvida ou não é compreendida, essas partes instintivas do cérebro ficam em alerta máximo e acumulam um alto nível de estresse em todo o sistema, o que impede que outro funcionamento dentro do cérebro literalmente salve o espaço para funcionar bem. É por isso que é tão difícil se concentrar ou ter foco quando vamos trabalhar e temos esses problemas acontecendo em casa, porque nossos cérebros estão “presos” no modo de sobrevivência a partir da inundação de emoções (ameaças) criadas nesse relacionamento ativado. Em alguns casos, esse alto nível de estresse pode ser ativado por anos, acumulando-se a partir de muitas dinâmicas não saudáveis de relacionamento, que não fazem qualquer sentido lógico no presente. Torna-se difícil entender por que às vezes reagimos tão fortemente a coisas que parecem “não ser importantes”. A pessoa pode continuar a evitar se aproximar dos outros para tentar não provocar esses sentimentos fortes (ativação armazenada), deixando-as em estado de isolamento e solidão interior. Ambos os exemplos experimentam o medo dessas reações fortes, aparentemente incontroláveis, que são deixadas sem solução ou presas. Podemos até mesmo inconscientemente provocar situações (conflitos) a fim de tentar “consertar” ou acertar o que estamos mantendo do passado. Quando essas tentativas fracassam, tendem a fortalecer um estado de desamparo e desconfiança no campo relacional ou nos relacionamentos em geral.

Então a pessoa inteligente naturalmente pergunta: o que eu posso fazer sobre isso?! Como posso fazer meu cérebro e meu sistema nervoso saírem desse alto estresse ativado, para que eu possa voltar ao meu “eu real” de me sentir aberto, pacífico, claro, receptivo, calmo e amoroso? Em nossa experiência, essa resposta requer algum entendimento e ferramentas. Uma dessas ferramentas é o que chamamos de “reparo”. Quando podemos comunicar com sinceridade o que estamos sentindo e experimentando com o outro, isso ajuda a conectar o córtex cerebral frontal superior ao cérebro instintivo, que tem um efeito regulador e calmante sobre o sistema nervoso. Nós gostamos do termo do Dr. Dan Siegel, “Nomeie-o para domá-lo”, que indica esse processo no cérebro de expressar o que estamos sentindo como uma forma de regular a nós mesmo e o campo relacional.

Aqui estão alguns passos para o reparo a serem explorados:

O primeio passo O primeiro passo é aprender como identificar que você está acionado, reativo ou defensivo. Talvez você possa começar apenas sentindo uma contração ou desconforto no corpo. Identifique: “Algo em mim está acionado ou ativado e está tirando meu centro”.

O segundo passo é o que chamamos de auto-responsabilidade … reconhecer que, se você está ativado tem algo a ver com você, não apenas com o outro. Tendo essa atitude, “Se eu quiser que algo realmente mude do lado de fora, primeiro preciso ver qual é a minha parte ou contribuição na situação. Qual é o meu comportamento quando estou acionado (proteções)?” Estar aberto e curioso são aspectos essenciais para a auto-reflexão, já que a maioria dos nossos gatilhos nos relacionamentos envolve nossa história e criação.

O terceiro passo é validar e sentir a vulnerabilidade que está por baixo de nossas proteções. Fazendo perguntas como: “Qual é a parte delicada em mim que foi tocada para me fazer sentir tão defensivo ou reativo? Qual é a vulnerabilidade que estou protegendo?” Exemplos podem ser, não se sentir bem o suficiente, incompreendido, não visto, medo de ser deixado… etc…

O primeiro passo é avançar em direção ao reparo: quando podemos trazer uma vulnerabilidade autêntica descoberta por meio de nossa investigação interior do que estava sob nossas proteções e comportamentos acionados e compartilhar desse espaço vulnerável sem culpar o outro, abrimos um campo de empatia, compaixão e reparação. Isso nos ajuda a entrar em contato com nossas necessidades básicas, que são muito pessoais e íntimas.

Muitos de nossos clientes relatam os efeitos positivos de ser capaz de “autorregular” seu sistema nervoso quando são aptos a usarem essas ferramentas para reparar falhas de comunicação com seus parceiros, amigos e familiares. Isso traz uma compreensão mais profunda do motivo pelo qual eles foram acionados em primeiro lugar e como “descarregá-los” quando ativados, o que naturalmente os remove deste modo de sobrevivência para um estado de bem-estar, amor, compaixão e perdão. Quando podemos retornar a um estado de empatia um com o outro e sentir como uma contração estava mantida no fundo, podemos de repente respirar fundo e liberar talvez anos de estresse devido a questões relacionais, isso realmente traz uma sensação de esperança de que podemos ter o nível de intimidade que nós realmente desejamos. Em seguida, sentimos a confiança para realmente abrir nossos corações e podemos até permitir que desentendimentos não fiquem presos no isolamento, no desligamento e no mau humor porque existe uma ponte de conexão disponível para a reparação. Que alívio poder nos mover através de nossos problemas que surgem quando estamos em relacionamentos com os outros e não ficarmos presos neles. Ao contrário, quando podemos nos mover através deles, ganhamos resiliência, autoconhecimento e confiança para amar ainda mais e poder assumir mais riscos e mostrar-nos sinceramente aos nossos amigos, amantes e pessoas de quem gostamos.

Nós esperamos que isso seja uma grande inspiração para que todos nós movamos apesar dos desafios que todos enfrentamos nos relacionamentos. É excitante para nós vermos o nível de cura possível hoje, através das mais recentes pesquisas e entendimentos da ciência moderna, misturadas com a sabedoria das meditações e de como podemos literalmente religar nossos cérebros através do amor e da conexão! Que alegria… que liberdade!

Talib & Shubhaa Fisher