ENTREVISTA: INTELIGÊNCIA SEXUAL

Entrevistador: Vocês poderiam me contar sobre o seu trabalho Conscious Relating e de como vocês vêem isso como um caminho para trabalhar a si mesmo?

Talib: Estamos apresentando uma linha de trabalho que envolve uma progressão de blocos fundamentais para casais e indivíduos que desejam evoluir por meio de seus relacionamentos. Nosso entendimento pessoal é que, através do compromisso de explorar a nós mesmos dentro de nossas relações, podemos expandir nossa capacidade de crescer pessoal e espiritualmente. Lentamente a vida se torna uma aventura de descoberta. Nós vemos o Conscious Relating como um caminho. É muito pessoal para nós enquanto caminhamos juntos com todos que encontramos. Essa é a beleza desse trabalho; é uma co-criação. Somos todos companheiros de viagem aqui, então o trabalho é compartilhado e praticado com profundo respeito.

Shubhaa: Em algum momento, em meu próprio trabalho comigo mesma, eu comecei a entender que Talib é um espelho que indica os aspectos de mim que ainda não foram integrados (padrões e traumas) ou as partes de mim que não tiveram o apoio para desenvolver completamente e que ainda atuam a partir de um estado infantil de consciência.

Em outras palavras, todas as minhas reações que surgem ao me relacionar com meu parceiro indicam algo sobre mim. A reação é como uma pista para o mundo interior, que algo está sendo tocado, então minha reação tem a ver comigo. Essa atitude coloca todo o poder de volta em minhas mãos, porque EU NÃO POSSO mudar o outro, mas eu posso me transformarCompreensão e as ferramentas certas são necessárias e é isso que o Conscious Relating oferece. Pode-se começar a fazer mudanças de uma “consciência culpada” para uma “consciência de conexão”.

Entrevistador: Como esse processo de Inteligência Sexual foi criado?

Talib: Inteligência Sexual foi desenvolvido como um dos principais pilares do nosso trabalho Conscious Relating. Em nossa abordagem, vemos que é uma ponte entre a cura do trauma da ciência moderna e a antiga sabedoria do misticismo oriental (Tantra).

Temos trabalhado com as pessoas e com nós mesmos por muitos anos nessa área de relacionamento e intimidade, com as abordagens orientais e ocidentais. Percebemos o importante elo entre o trabalho de trauma do ocidente mais profundo, que aborda a cura de nossas feridas psicológicas e emocionais de vergonha, negligência, abandono, camadas de choque desassociado e as ciências orientais do Tantra, que tradicionalmente usam a energia sexual como um caminho para transformar nosso subconsciente. É um link muito interessante e poderoso! Temos descoberto que, para amadurecermos em um relacionamento íntimo, precisamos primeiro fazer amizade com nossa própria vulnerabilidade. Este elo entre Trauma e Tantra tem sido uma exploração super importante para nós pessoalmente como um casal e vemos a necessidade nos outros hoje também, por isso ele vem se desenvolvendo ao longo de muitos anos.

Shubhaa: Sim, estávamos testemunhando muitas pessoas entrando no trabalho do Tantra que não tinham o conhecimento básico e as ferramentas para trabalhar e navegar com suas próprias feridas quando elas eram acionadas no trabalho de intimidade mais profundo. Isso estava trazendo muito trauma não resolvido em seus sistemas nervosos, o que impedia que as pessoas realmente pudessem estar presentes no trabalho de energia mais sutil do Tantra.

Quando nos aproximamos da intimidade, é natural que nossas feridas apareçam – o que ainda não foi integrado em nosso sistema vem à superfície para curar. As feridas de vergonha ou humilhação (algo está errado comigo, ou eu deveria ser diferente do que eu sou …) ou camadas de choque que criam disfunção sexual e emocional em homens e mulheres vêm à tona. Muitas vezes, isso cria dificuldades e desafios em relacionamentos íntimos, ou inseguranças em estabelecer limites saudáveis em explorações íntimas, ou simplesmente nos perdemos em dissociação, indiferença, em agradar ou carência sem entender o que realmente está acontecendo. Sobrecarregar-nos muitas vezes ou minimizar as delicadas camadas vulneráveis dentro de nós é o resultado.

Talib: Nós notamos que havia um pedaço faltando entre essas duas áreas no mundo do desenvolvimento pessoal. Tem sido um elo super importante para nós pessoalmente e nós vemos a necessidade dos outros hoje também, então apenas veio a nós. Claro, isso veio com o apoio de toda a inspiração que recebemos das universidades e mestres professores como Osho e o mestre brasileiro Sri Prembaba, Dan Segle nos EUA, assim como muitos outros lindos professores com os quais estudamos ao longo dos anos. É uma criação conjunta entre todos nós no quadro maior das coisas.

Entrevistador: Trauma é um grande tópico hoje em pesquisa médica e fisioterapia. Como vocês estão se aproximando do Trauma nesse trabalho? Vocês têm um ângulo específico?

Talib: Sim, o trauma é uma palavra grande e é um pouco assustador para muitos de nós ou até mesmo difícil de se identificar. É importante entender ao que estamos nos referindo com “trauma”. Para colocar de forma bem simples, nos referimos ao trauma como a energia de sobrevivência vital dentro do sistema nervoso que tenta se mobilizar em resposta a uma ameaça percebida ou necessidade básica não satisfeita e que não tem a oportunidade de liberar ou completar sua mobilização no corpo, e assim fica presa no sistema nervoso. Em outras palavras, o trauma não está na “história” do que aconteceu, mas é uma ativação energética armazenada no sistema nervoso do corpo. Isso significa que podemos acessá-lo diretamente e dar o suporte necessário para curar (liberar). Nosso trauma muitas vezes vem dos primeiros estágios de desenvolvimento da vida, quando nosso sistema de apego ainda estava se desenvolvendo, buscando um contato seguro, especialmente em nossas relações com nossas mães ou cuidadores no “papel maternal” como nossa necessidade primária de apego seguro nos primeiros anos de vida. É claro que o “papel do pai” também desempenha um papel muito importante, mas nesses primeiros meses / anos de vida, a presença da mãe é essencial para o desenvolvimento de um apego seguro. Infelizmente, na movimentada sociedade de hoje, é muito comum que a qualidade da “presença maternal”, o toque amoroso, a sintonia com as nossas necessidades, a proteção, etc. sejam distraídos nesses primeiros anos, o que afeta diretamente nossos relacionamentos íntimos mais tarde, na vida como adultos. Então, o trauma se manifesta também através da negligência, onde não recebemos a atenção ou validação de que precisávamos para realmente nos sentirmos amados. Infelizmente, isso é experimentado pela maioria das pessoas hoje em dia.

Shubhaa: Para muitos de nós, esta é a raiz da carência que experimentamos nos relacionamentos, onde acabamos tentando forçar o outro a nos amar, para nos sentirmos seguros e protegidos. Esse sentimento de “nunca é suficiente” está dentro do sistema de apego e nem sempre diretamente, porque nosso parceiro “não está presente”. Nossos parceiros apenas desencadeiam esse sentimento / memória muito jovem em nosso sistema de apego de “Eu quero conexão, mas não posso ter” ou “Eu não sou realmente amável como sou”. Essas crenças profundas podem vir de nossas primeiras experiências de apego, pois essas memórias ainda estão armazenadas em nosso cérebro (sistema nervoso) hoje. Então, quando tentamos entrar em contato hoje em dia como adultos, essas primeiras lembranças também são acionadas em nossos cérebros. Isso pode acontecer mais tarde na vida, usando nossas relações ou até mesmo a energia sexual como um canal para preencher esse sentimento de falta ou vazio dentro de nós. Além disso, a maioria de nós experimentou o trauma de ser rejeitado, abandonado ou mesmo humilhado quando estávamos desenvolvendo nossa sensualidade e sexualidade, deixando marcas em nosso delicado sistema nervoso que é despertado – quando nos movemos em direção à intimidade hoje. A boa notícia e a beleza disso é que podemos apoiar nossos sistemas de apego para que retornem ao apego seguro. Este é um processo de literalmente ‘religar’ nossos cérebros.

Talib: Em nossa opinião, esses traumas são as raízes de nossos relacionamentos destrutivos. A maioria das pessoas que conhecemos hoje sofreu negligência enquanto criança muito jovem ou adolescente e, portanto, os sintomas de desconfiança são muito comuns quando se abrem para um contato mais profundo.

Como disse Shubhaa, a boa notícia é que podemos curar essas primeiras rupturas de apego em nosso sistema de apego relacional. Podemos acessar nossa confiança natural e relaxada para nos sentirmos livres dentro de nossos corpos e em contato com nossas energias essenciais. Este trabalho está focando neste trabalho de cura essencial, criando uma oportunidade para retornar à nossa conexão sagrada natural dentro da intimidade.

Entrevistador: O tantra é outro aspecto do seu trabalho. O que é Tantra? Vocês mencionam um movimento “do trauma ao tantra” dentro da Inteligência Sexual. Como é que isso funciona?

Talib: Boa pergunta … 😉 É uma pergunta desafiadora, na verdade. Para mim, a essência do Tantra é mais uma ‘experiência sensorial’ do que um processo de pensamento. Essa experiência vem do lado direito do cérebro, portanto, não é tão fácil ser exato com as palavras. Normalmente, é melhor expressado em poesia ou arte. ;))

Do meu entendimento, do lado de fora, o Tantra é um método oriental de transformar a consciência através de exercícios que purificam a energia sexual e elevam sua vibração em união com a energia essencial do amor dentro do corpo. Isso cria uma ponte entre o mundo material e o mundo espiritual e abre uma qualidade de aceitação para tudo na vida. O Tantra acessa uma profunda consciência de sensibilidade que pode perceber e receber as energias sutis da nossa força vital e conexão com o todo.

A partir deste momento, nós entendemos o Tantra como um estado interior de ternura … um espaço interior que traz a sensação de ser mantido em um profundo abraço caloroso de aceitação, mesmo quando você não está em contato físico com outra pessoa. É um estado de saber que sou amado como sou, sem exceções ou condições. Não que o amor esteja vindo de fora… ele brota de uma conexão integrada dentro de nossa própria consciência. Vemos o Tantra como um estado de consciência que só podemos nos abrir para receber… ele vem como um convidado… um visitante enviado do divino… e uma das portas para receber esse visitante é através da consciência dos sentidos…

Em um nível prático, a visão do Tantra está refletindo diretamente como nos relacionamos com as pessoas. Por exemplo, é fácil fazer alguns cursos e “praticar Tantra”, mas quando abrimos os olhos e realmente nos expomos a como estamos tratando as pessoas que estão próximas a nós, isso mostra a nossa sombra, e que precisamos ter a coragem de olhar e assumir a responsabilidade por ela. É fácil usar uma máscara espiritual que usa o Tantra como indulgência sexual e alimenta a luxúria, o que é muito diferente do amor. Isso precisa ser profundamente entendido em algum momento para ir mais fundo. Em outras palavras, é importante entender como tomamos ou sugamos a energia dos outros através da nossa sexualidade, para preencher um vazio interior causado por uma desconexão da nossa fonte interna. Isso é o que chamamos de “luxúria”: a dinâmica envolvida em forçar o outro a me amar, para que eu não tenha de me encarar de verdade. De alguma forma, o Tantra nos ensina como identificar isso e realinhar nossa energia sexual com o coração, o que muda toda a vibração da intimidade e apóia uma reconexão com a nossa essência. Este é um aspecto do trabalho de cura.

Assim, na Inteligência Sexual, trabalhamos para resolver as barreiras que construímos para sentir alegria, vitalidade, confiança, prazer e acesso a uma profunda aceitação e experiência dos sentidos dentro do corpo, o que cura e reconecta a pessoa ao seu próprio senso de divindade. Em nosso entendimento, o Tantra é um antigo encontro da ciência e espiritualidade. Isso nos guia a acessar diretamente nossas estruturas de apego mais profundas dentro do sistema nervoso como uma porta para nossa realidade espiritual.

Shubhaa: hmmmm…lindo. Essa pergunta me toca. Para mim, é sobre estar realmente presente no contato. Eu digo muitas vezes aos meus clientes que a maneira como nos tocamos é uma chave de ouro dentro do Conscious Relating. Um toque amoroso e presente abre uma porta para as nossas camadas de apego seguro mais profundas em nossa biologia. Esta é uma grande parte do que estamos trabalhando aqui: curar nossa capacidade de ser sensual, que nada tem a ver com sexo. É mais a capacidade de conscientemente sentir. Naturalmente, ao trazer essa qualidade para o sexo mais tarde, é maravilhoso e poderoso. Mas primeiro precisamos entender algumas coisas básicas sobre a importância do toque. Por exemplo, antes que pudéssemos falar quando criança, naqueles primeiros estágios de desenvolvimento da vida, o modo como sabíamos que éramos amados era ser abraçado, ser tocado com presença, ternura e calor corporais. Um toque que emanava segurança e confiabilidade que gerou um sentimento interior que sabia: “Eu não estou sozinho, estou sendo amado”, que nos sintonizava para nos sentirmos protegidos. Esse tipo de relaxamento é sagrado. E de um jeito ou de outro, é o que todos nós procuramos e desejamos através de nossos relacionamentos – nos reconectar com o sagrado e estar realmente conectados. O Tantra está me ensinando que essa conexão vem de dentro de mim e que somos projetados para receber este abraço sagrado da vida: vibrar em gratidão, compartilhando a plenitude e transbordando dentro do coração. Eu preciso lembrar de mim mesmo; como eu sou verdadeiramente projetado para amar. Este é o nosso desafio como seres humanos: despertar essa lembrança de nossa santidade. É um caminho…

Talib: Então, primeiro trabalhamos dentro das camadas de “Trauma” para preparar o terreno para o Tantra acontecer. Não é um fazer no final, é lembrar que todos os elementos estão dentro de cada um de nós. Então, juntos, exploramos a alquimia do ser, que detém uma profunda sabedoria e sabe como “transformar nossos venenos em mel”.

Vemos a Inteligência Sexual como o trabalho de base para o Tantra ou a ponte da fisioterapia para a terapia baseada na espiritualidade. Em outras palavras, limpar a casa e estabilizar as bases de confiança e segurança para poder realmente sentir-se confiante, respeitado e relaxado para explorarmos a nós mesmos mais profundamente. O profundo trabalho interior realmente se resume a se sentir seguro o suficiente, porque através da segurança e da confiança, as camadas ocultas se abrem para curar, para que possamos aprender a abraçar a luz e os lados sombrios dentro de nós. O coração pode suportar a energia incandescente selvagem e sutil e um profundo silêncio expansivo, tudo em presença e consciência. Isso contribui para uma intimidade rica. Uma vez que sabemos o território das feridas que carregamos e de como ser íntimo com elas, abraçá-las, senti-las, compartilhá-las com compreensão e compaixão dentro de nossos relacionamentos, o caminho traz para a mesa alegria, flores de amizade real, honestidade e valores humanos reais. Isso faz toda a diferença. Temos então a base disponível para nos sentirmos relaxados em nossos corpos, claros com nossos limites e em contato com nossa sensibilidade para realmente sentir a sutileza de energia para a qual o Tantra nos guia: fluir para dentro e dentro de nossos relacionamentos.

Entrevistador: Eu nunca fui abusado sexualmente ou tive algum evento traumático “grande”, então este trabalho ainda se aplicaria para mim?

Shubhaa: Essa é uma pergunta que muitas pessoas têm, por isso é uma boa pergunta. As pesquisas de hoje revelam que 1 em cada 3 mulheres e 1 em cada 6 homens receberam algum nível de abuso sexual. Então é muito comum e, ao mesmo tempo, um fato muito delicado da nossa sociedade. Tem havido tanta repressão sexual e condicionamento em torno de nossa sensualidade e sexualidade que, infelizmente, o resultado tem sido um monte de abuso encoberto. Eu pessoalmente tive experiências como uma filha de abuso, o que tornou este trabalho ainda mais pessoal para nós dois, mas o trauma não é apenas experimentado como “abuso sexual”. A maioria de nós experimentou um trauma que surge na intimidade por alguma forma de negligência, condições familiares ou religiosas, falta de apoio ou falta de instrução nos estágios de desenvolvimento enquanto crescia. Isso pode criar confusão, vergonha e culpa, o que afeta nossa confiança e maturidade para criar relacionamentos íntimos saudáveis como adultos hoje. Talvez algumas pessoas até tenham recebido mensagens de que sua sensualidade ou capacidade de sentir e expressar seus verdadeiros sentimentos não era realmente importante ou essencial. De tal maneira que apenas o pensamento lógico e racional foi valorizado na família e levou-nos a desenvolver mais o nosso cérebro esquerdo (pensamento racional) para satisfazer o status quo e desigar a nossa capacidade natural de sentir.

Muitos de nós chegamos ao relacionamento íntimo e nos vemos, de alguma forma, sentindo vergonha de nos sentirmos desconectados das sensações ou sentimentos emocionais em nosso corpo ou acabamos encobrindo esse espaço vulnerável agradando / preformando ao invés de nos sentirmos seguros o suficiente para sermos autênticos com o que realmente está acontecendo dentro.

Talib: Depois de explorar profundamente dentro de nós mesmos, nós reconhecemos essas delicadas áreas de vergonha, abandono e camadas de choque, e vimos como esse trabalho de cura foi importante para enriquecer nossa capacidade de amar e estar juntos intimamente – não apenas ao fazer amor, mas ESTANDO juntos, compartilhando o espaço em casa com ternura, maior sensibilidade e sensualidade, aprendendo a ter um profundo respeito pelo espaço pessoal um do outro e uma maneira individual de se conectar. Quanto mais nós abraçamos e compartilhamos essas delicadas inseguranças e “camadas feridas” juntos quando elas surgem, mais confiança se desenvolve entre nós e, portanto, muito mais expansão e liberdade dentro da intimidade é possível.

Então, em outras palavras, a maioria de nós tem energia de trauma armazenada em nossos sistemas hoje porque, de uma forma ou de outra, faz parte de ser humano neste planeta hoje. Então o trabalho oferece um espaço para abraçar todos nós, onde quer que estejamos no caminho. Se tivermos traumas específicos ou traumas condicionantes da sociedade em geral, este é um espaço para todos nós curarmos e explorarmos juntos. Assim, criamos um contêiner seguro onde podemos nos sentir a salvo e apoiados o suficiente para nos experienciarmos mais abertos e acessíveis ao contato e à conexão. É aqui que a cura acontece; quando nos sentimos seguros o suficiente nossas camadas mais profundas naturalmente se revelam, sem a necessidade de serem forçadas ou empurradas. Cada indivíduo é respeitado em seu próprio tempo e maneira única de trabalhar consigo mesmo.

Em outras palavras, não há certo e errado na sala de grupo. É uma reunião de pessoas que amam a verdade e têm a oportunidade de compartilhar a si mesmos mais autenticamente

Entrevistador: Para quem é esse trabalho? É apenas para casais ou indivíduos também podem participar? Como é de uma maneira prática?

Shubhaa: Este trabalho é para qualquer pessoa que deseje experimentar conexão em um nível mais profundo, tanto homens quanto mulheres que talvez em algum nível tenham chegado a certo descontentamento com o “jeito normal” de se relacionar e sentem que há algo a mais disponível dentro de seu próprio potencial para experienciar. Você pode vir sozinho ou em casal.

Talib: Nos primeiros dias nos concentramos mais individualmente, em nossa situação pessoal ou história para nos conhecermos um pouco melhor e entendermos o que é trauma, como isso pode estar afetando nossos relacionamentos hoje e reunir ferramentas que possam curar as camadas mais delicadas que carregamos. Isso inclui estados de desconfiança, medo ou vergonha que são naturais quando somos feridos. Após esta primeira etapa do trabalho, começamos a integrar a parte do Tantra dentro do campo. Os casais serão encorajados a explorarem juntos para integrarem seus trabalhos individuais em seu campo relacional, criando esse espaço de respeito, cuidado e segurança que são os blocos de construção para o Tantra nas fases posteriores do trabalho. Indivíduos (que não estão em um relacionamento ou com um parceiro presente) participarão de meditações guiadas, trocarão perguntas e exercícios elaborados com outros participantes para aprofundar sua própria exploração pessoal. É como se o outro se tornasse um espelho amoroso para nos vermos mais claramente. Nós mantemos o espaço com ternura e não-julgamento, para que possamos aprender a abraçar a nós mesmos como somos. Também é importante dizer que não estamos trabalhando diretamente com sexo – não há contato sexual na sala do grupo.

Shubhaa: Assim, cada participante, em casal ou sozinho, tem a oportunidade de se conhecer melhor, de construir confiança e aceitação para olhar dentro de si sem julgamento, sem tentar “consertar” a si mesmo de acordo com algum ideal fabricado pela sociedade. Acredite ou não, a consciência somática é o elemento curativo que faz toda a diferença em nosso trabalho. Assim, ensinamos a linguagem do coração, que compreende que uma alquimia da transformação acontece ao permitir e experimentar uma percepção do ‘sentir das coisas’ como elas são, incluindo as barreiras que construímos em torno de nossa vulnerabilidade inteligente. Essa consciência amorosa começa a derreter a dureza, a dormência ou as máscaras de indiferença que construímos ao longo dos anos. Ela nos dá espaço suficiente para investigar com curiosidade e abrir nossa capacidade de sentir novamente, de estar realmente presente e de ver e validar as proteções de nossa personalidade como uma estratégia inteligente para sobreviver no ambiente em que crescemos. Não há nada de errado com elas, elas estão apenas desatualizadas. Isso começa a abrir uma profunda compaixão por nós mesmos e pelos outros. Compaixão por nós mesmos e nossa história é a cura em si, mas precisa ser uma compaixão autêntica, que vem através da revisitação daquilo que nos isola em primeiro lugar. Desta vez, estamos tocando nesses lugares delicados com os recursos e o apoio que temos hoje.

Entrevistador: O que as pessoas podem esperar no cronograma diário e nas atividades dentro desse processo?

Talib: Começamos o dia antes do café da manhã com uma meditação ativa de 1 hora para preparar a energia para o dia. Após o café da manhã, temos nossa primeira sessão das 10:00 até às 13:00, onde apresentamos uma teoria específica como um ensinamento, depois experimentamos um exercício guiado para dar uma exploração pessoal do ensinamento, oferecendo uma oportunidade de criar integração do conhecimento na prática. Em seguida, uma pausa para o almoço e voltamos para a sessão da tarde até às 17:00, onde temos outra mediação integrativa ativa antes do jantar. Na maioria dos dias, haverá uma sessão à noite até as 21:30 ou 22:00. Então os dias são bem estruturados e completos. Usamos muito o corpo, incorporando exercícios de dança, bioenergética e liberação de tensão para acessar mais sensibilidade no sistema nervoso, além de métodos, pesquisas e meditações calmantes para apoiar a integração do trabalho.

Entrevistador: O que alguém pode esperar adquirir através desse processo?

Shubhaa: Nossa intenção é apoiar as pessoas a encontrar sua inteligência interior, curiosidade e paixão por este caminho de relacionamento consciente (Conscious Relating). Estamos oferecendo ferramentas para apoiar uma exploração contínua como um caminho de crescimento, que pode ser integrado à intimidade e à vida após o processo.

Esperamos inspirar as pessoas a vivenciarem o relacionar a partir de uma presença masculina interior mais equilibrada, que se expressa através da coragem, comprometimento, foco, aventura e o anseio pela liberdade sintonizada com a receptividade, flexibilidade, natureza intuitiva e sensual de nossas qualidades femininas internas.

As pessoas podem se sentir mais humanas e ternas consigo mesmas e com os outros, com uma sensação de confiança relaxada e mais integração e aceitação da experiência dos sentidos e paixão vitais. Em outras palavras, eles vão viver uma vida com mais alegria, diversão e opções para trocar amor.